Você sabe como me ajudar

Paulista, 11 de agosto de 2018

Se eu fizer o pedido certo, Você vai me atender. Eu sei. Também, sei que posso te chamar de Você porque Você não está, somente, perto do meu corpo em onipresença, Você está perto da minha alma, Você ouve meu coração, Você sabe do que preciso e em quê acredito. É assim que eu vejo Você, é assim que eu sinto Você, é assim que eu acredito em Você: um Deus que me ouve sem me julgar, um Deus que me entende sem eu pedir, um Deus que me aceita, exatamente, como eu sou e que vai me aceitar quando eu decidir mudar. Um Deus que me ajuda a mudar.

Guerreiros espirituais não se apoiam no que se pode pegar. Nossa luta é subjetiva. Nossas dores são escancaradas, para nós mesmos, com coragem. Nossas questões são tratadas em conversas que decidimos ter Contigo. Daí, nascem as decisões, nascem novas posturas, nasce uma confiança maior nessa relação que iniciou-se antes de nascermos e que vem se desenrolando em fatos e situações cujas causas estão muito além da nossa compreensão. Eu tenho o papel de criar responsabilidade e trazer para a consciência o máximo de informações que eu puder sobre mim. Para cuidar melhor de mim. Para caminhar melhor para os meus objetivos. E sei que Deus tem o papel de acolher tudo aquilo que foge do meu controle e que não cabe a mim entender ou contestar. Certas coisas são como são. Em outras coisas podemos interferir. Eu quero ajudar no que eu puder, eu quero ver mudar o que eu puder, a começar por mim.

Peguei-me, hoje (Você lembra?) a pedir-Te por aceitação. Não para que Você me aceite, não para que os outros me aceitem (porque eles não aceitam, mesmo) mas para que eu me aceite. Completamente. Sem deixar espaços. Porque a medida que me incomodo com o que os outros não aceitam ou julgam em mim, devo entender que algo, dentro de mim, também, acredita naquilo (do contrário eu não me incomodaria…). Então, eu pedi a Você para eu me aceitar. Eu disse a Você que eu preciso me aceitar. Ao me aceitar, cumprirei o pré-requisito essencial para me amar. Em completude. Sem deixar espaços. Eu preciso me amar.

É com o coração que pretendo decidir. Os modelos lógicos, já constatei, são falhos. É de Você que vem a inspiração. O futuro é incerto e sobre ele não sabemos. É Você quem me faz saber. Um pedido genuíno do fundo da minha alma para Aquele que sabe quem eu sou, o que quero e do que, realmente, preciso. Um pedido honesto de quem criou coragem para chorar, parando de fugir dos maus sentimentos. Alguém que está se permitindo à exposição para obter a cura e a paz. Você deve ter ouvido. Se pedi certo, como espero ter pedido, Você vai me atender. Você sabe como me ajudar.

Com amor,
Sua filha.

Minhas impressões sobre Sense8

Na primeira vez em que ouvi falar de Sense8, eu estava assistindo ao canal da Jout Jout Prazer quando me deparei com um vídeo dela tentando explicar a série. Durante a ocasião, Jout Jout mostrou vários comentários e mensagens recebidas de fãs pedindo para que ela falasse a respeito. Lembro que a youtuber se saiu muito bem em sua explicação, o que me deixou curiosa para conhecer o produto.

Na época, eu não tinha assinatura com a Netflix e, sim, eu não deveria ter feito aquilo mas assisti a primeira temporada em um site da internet que disponibilizava os doze episódios (sorry!). Não espere que eu vá te dar detalhes técnicos ou analisar a linha de atuação ou a trilha sonora da série. Neste espaço, aqui, eu quero poder expor o que me toca, o que me chama a atenção, o que eu acho interessante porque tenho uma trajetória de não conseguir me envolver, facilmente, com as coisas que assisto. Contudo, Sense8 é, também, uma exceção a esta regra. Lembro que me apaixonei. Segui página em rede social, li um monte de matérias sobre bastidores, me dei conta da legião de fãs que o produto já tinha (e eu passava a ser um deles!). Lembro da felicidade que senti ao receber a notícia de estreia da segunda temporada, justamente porque, agora, eu tinha Netflix (kkkkk).

Sense8 é uma quebra de paradigmas e crenças. Sabe aquilo que a gente acredita desde quando nasceu? Sabe aquilo que a gente nunca buscou mas já estava lá quando chegamos? Sense8 destrói tudo isso através de uma trama bem feita, um trabalho minucioso de continuidade, movimentos de câmera, imagens, ângulos, cenários, trabalho com a luz, extremamente, bem feitos mas, principalmente (principalmente!), por conseguir nos fazer envolver com os personagens e torcer para que eles fiquem bem.

Não dá para explicar o enredo para quem nunca assistiu. Eu só sei que nunca aconteceu de eu me conformar em assistir um episódio e ir fazer outras coisas. Assistia até cansar, fazia minhas refeições em frente à tela, nem tomava banho pra começo de conversa. Ao final de cada episódio, com seus cerca de cinquenta minutos, estava lá eu ofegante, me perguntando se eu estava entendendo, retomando a história, mentalmente, ou, como diria a Jout Jout, sem saber como existir!

Sense8 fala de uma outra espécie de ser humano. Fico pensando que é mais fácil explicar a aceitação pelas diferenças e a extinção do preconceito quando se fala de uma outra espécie. Trata-se de união, grupos que se veem, se sentem, se conectam independente da distância. Penso que também pode falar, metaforicamente, dos vários eus existentes dentro de uma pessoa que, em diferentes momentos da vida, vai buscar, dentro de si, uma atitude mais assertiva. Fala de relações e do quanto elas dizem sobre nós, o tanto de nós que encontramos no outro e vice versa. Somos capazes do que quisermos se acreditarmos. Sense8 fala de uma luta antiga que pleiteia a união livre daqueles que se amam. Fala de tolerância, de respeito, de convivência.

Não é difícil se envolver e se apaixonar por aqueles oito protagonistas, cada um com sua história, seus costumes, seu tipo físico, sua cultura, sua língua. Não é difícil querer que, surpreendentemente, na hora do perigo, alguém tome conta do nosso corpo e resolva tudo pra nós. Não é difícil entender que dentro de nós pode estar tudo o que precisamos. Não é difícil entender que, às vezes, nosso pior inimigo mora dentro da nossa cabeça.