Querido, eu estou indo embora

Querido, eu cheguei à conclusão de que você gosta do conflito. Eu te amo, mas você se alimenta de conflito. Eu te amo, mas você precisa impor condições e situações, ao seu modo, para ficarmos juntos. Eu te amo tanto que consigo te entender sem ficar com raiva. Eu te amo tanto que consigo compreender que, por ora, ficamos incompatíveis…

Isso não é uma despedida. Somos amigos e o seremos, sempre, no que depender de mim. Mas eu não sou essa mulher que aceita tudo o que você quer sem questionar. Eu não sou essa mulher que não expõe opiniões e pensamentos. Eu não sou essa mulher que passa por cima dos próprios quereres só pra você não ficar com raiva. Eu não sou essa mulher capaz de abrir mão de tanto por alguém que não merece.

Desculpe a franqueza, mas você mudou. Você age como esses homens egoístas, machistas e apressados que contam os minutos para dar prazer pensando no que quer receber, ao invés de viver o momento. Você age como esses idiotas que não prestam atenção nos sentimentos alheios, que não conversam depois da conquista, que são intransigentes e irredutíveis. Você age como esses manés que se acham um grande prêmio. Você age como esses mamões que não conseguem dar conta de uma relação estável, prazerosa, sem briguinhas, nem joguinhos. Desculpe, querido, mas eu não posso ser essa mulher que fecha os olhos para tanta imaturidade…

Posso compreender que você esteja numa fase ruim. Posso te conhecer e saber, com um simples olhar, que você não está bem. Posso saber até das coisas que você não me diz. Posso ser sua amiga, se você quiser. O que eu não posso é perder o meu valor enquanto você se sente perdido. Não posso passar por cima do que é importante pra mim por sua causa. Não tenho disponibilidade para a tua inconstância.

Eu quero tranquilidade, querido… quero conversas agradáveis, confiança no que for fechado a dois, vivências saudáveis e prazerosas. Entende isso? Não é pedir muito da vida, não é impossível de se encontrar. É o que eu mereço. Não precisa ser um amor retumbante. Pode até nem ser pra amar, mas precisa ter respeito. Eu te amo, mas nem o mínimo você consegue me dar.

Fica bem.

Era eu

Eu demorei a entender tua opressão
Na verdade, fui eu que me deixei oprimir.
Eu demorei a entender tua intransigência
Teu modo de querer controlar
Quando, na verdade, era eu te atraindo com esses pontos em comum

Eu demorei, meu amor, eu demorei a entender tua distância
Tua disposição para a briga
Tua escolha pelo conflito
Tua dificuldade de receber amor
De me deixar te amar
De se entregar a mim

Agora eu vejo que era eu me vendo no teu reflexo
Era eu com minha autoestima zero
Agonizando pela falta de amor próprio
Era eu lutando por um mal negócio
Sem saber receber amor
Sem amar quem me faça bem
Sem atinar para tantos sinais

Era eu, amor, correndo atrás de quem não me quer
Romantizando a situação
Me declarando ser essa pessoa
Que nunca soube o que é bom
Era eu me matando por dentro
Quanto mais atração sentia
Era eu escolhendo o difícil
Por nunca ter visto a luz do dia

Eu, passarinho preso que se acostumou com as grades ao seu redor
Quero, agora, ser diferente
E, quando eu mudar, tudo vai ficar melhor

Eu te entendo, amor
Sou você e você sou eu
Laços ruins nos uniram nesta estrada
Sentimentos ruins alimentaram nossa ligação

Eu demorei a entender
Mas, agora, sei o que quero
E vou fazer minha cabeça entender
Que mereço muito mais do que espero