Querido, pode ir, apesar de tudo

Quanto tempo faz que você terminou comigo sem dizer uma palavra? Quanto tempo faz que eu fiquei, ali, como se estivesse a espera de uma resposta, uma explicação, uma confirmação que fosse, sem entender? Quanto tempo faz que eu fiquei me culpando, procurando o erro em mim, forçando a minha barra para não ficar com raiva de você? Quanto tempo faz isso? Não vou contar nos dedos. Para mim, foi tempo suficiente pra eu me reestruturar no meio do caos.

Nós fomos uma repetição desnecessária para minha coleção de traumas e necessária para a minha evolução de alma. Em você, encontrei, gratuitamente, o que eu precisava modificar em mim. Por isso, para quê vou te responsabilizar por não aguentar ouvir um “não” ou sair correndo, sem dar explicações diante de uma situação contrária ao que você quer se eu era, exatamente, assim? Quando é o outro cometendo os nossos erros é mais fácil apontar e julgar. Difícil mesmo é tomar a responsabilidade, engolir seco e dizer: eu estou olhando para mim quando olho para ele, eu estou recebendo, exatamente, o que emanei.

A culpa não é sua… Não te faz, suficientemente, inocente para me ter de volta, mas isso não é sobre você. Sou eu. Eu sei o que é estar no corpo de alguém que se defende fugindo. Eu sei o que é não saber lidar com aquilo que não planejei. Eu sei o que é ir embora sem dizer uma palavra. Você não foi homem pra mim: não me disse adeus, não me disse porque acabou, simplesmente seguiu sem mim depois de tanto tempo me seguindo. Mas eu não vou perder meu tempo te responsabilizando pelo que eu atraí. Não se inicia qualquer envolvimento com sentimentos negativos no peito. Eu fiquei com você porque não tinha mais esperanças de encontrar quem me merecesse, eu fiquei com você sentindo medo de sofrer, eu fiquei com você me sentindo insegura, eu fiquei com você querendo acreditar nas minhas mentiras. Eu não vou te culpar por ter correspondido às minhas más expectativas.

Eu te deixei ir embora e me despedi com amor e carinho naquela noite, em frente à praça, depois de um dia normal, sem você saber. Eu amo você, apesar disso não mudar fato de que não servimos um para o outro (e como é ruim admitir isso). Eu quero que você seja feliz. Sempre que o ciúme e a saudade baterem, eu vou cancelá-los e tentar preencher o vazio com amor-próprio.

Lembre-se de respirar

Clara, querer ter mais tempo para se dedicar a projetos há muito sonhados, lamentar o investimento pessoal e de energia em tanto tempo gasto com deslocamento e produção, segundo a Consolidação das Leis do Trabalho, é o dilema de muitas pessoas. Você não está sozinha nessa. Portanto, não se culpe quando o cansaço for maior do que você. Não se culpe quando o corpo pedir para dormir. Eu sei que você está dando o seu melhor. Acho justo que aproveite o que pode segundo as leis do seu corpo, em conformidade com o seu ritmo. Não sabemos se a vida vai mudar. Não sabemos se os sonhos serão realizados. Sei que tudo isso te amedronta. Sei que você quer fazer mais do que pode. Mas tentemos pensar que tudo o que, realmente, temos é o dia de hoje. Viva um dia de cada vez. Tenha momentos felizes em cada um desses dias e faça o que você puder. Prometa-me.

Jamais estaremos livres das más consequências advindas da interação com as pessoas. Eu entendo o longo caminho que você vem percorrendo para ser alguém melhor para si. Entendo a vontade de aprender a se proteger e admiro a escolha pelo caminho do bem, ainda que a situação seja a mais adversa. Eu entendo o movimento racional de querer perdoar e querer não se deixar atingir. Pode ser injusto não conseguirmos mandar nos nossos sentimentos e tentar encontrar lógica neles como é com o pensamento racional. O que posso dizer é que, de tanto você buscar isso que você acredita, um dia é isso que você será. Portanto, não desista. A vida vai fluir no tempo certo de ser.

Dizem que, ao servir o próximo, estamos multiplicando bênçãos em nossas vidas. Eu admiro tua forma de pensar, teu projeto de querer seguir uma série de práticas louváveis que sabes que podem te fazer bem. Compreendo a pressa de querer realizar aquilo que foi planejado. Devo compreender essa pressa de viver mais e pensar menos já que pensar é uma atividade tão mais corriqueira. Pressa de não abrir espaço para se sentir mal… Calma, Clara. Deixa o dia amanhecer no tempo do nascer do sol… Deixa a tua natureza trabalhar, dia após dia, no ritmo de encarar uma etapa por vez. Deixa a vida ser ao invés de só ser na vida. Para um pouco. Deixa o equilíbrio te achar, também.

Lembre-se de respirar, respirar, respirar… Lembre-se de recomeçar, não importa o que aconteça. Lembre-se de que eu estou aqui.

Do eu para o ego.

Reviver

Um céu com nuvens escuras, fim de tarde, encontros, desencontros, amores naquele banco vividos. Como pode uma simples praça ser tão carregada de sentimentos esquecidos? Sentimentos mortos que passam pelo outono de nossas vidas para, um dia, renascer na primavera, renascer sem a melancolia e a culpa de amores deixados para trás. Ah! O bem que a morte nos traz, fazendo com que a cada dia ressuscitemos para outros sentimentos.

laís xavier

Este post foi sugerido e escrito pela cantora, compositora e estudante de Comunicação Social com habilidade em Publicidade e Propaganda, Laís Xavier (canal Laís Xavier). Você, também, pode sugerir o seu e compartilhar na aba Contato, aqui, do Fuá de Clara. Leremos com carinho a sua sugestão que, sendo aprovada, poderá ser publicada na categoria Trombeta, porque aqui a gente toca as trombetas pra você falar =)