Amanhã: Espiral das Artes estreia e promete movimentar a cena cultural recifense

Imagine um grande caldeirão cultural a unir várias linguagens artísticas no mesmo dia e no mesmo local: essa é a proposta do mais novo evento cultural da cidade, o Espiral das Artes. Produzido pela Cultura Iminente em parceria com o Complexo GreenPark, o evento trará, a cada edição, uma vasta programação que contempla música, poesia, gastronomia, dança, teatro, circo, entre outras linguagens. Também, contará com uma Feira Artesanal, intervenções artísticas, atividades para crianças, brechós, um Núcleo de Terapias Integradas (NTI) e o espaço Ciência no Quintal. Espiral das Artes estreia amanhã (3), a partir das 9h, no Complexo GreenPark, que fica na Rua Guarabira, 639 (próximo ao Shopping Recife). O evento é aberto ao público no período da manhã. A partir das 13h, será cobrado o ingresso solidário que consiste no pagamento de meia entrada (R$10) + 1 kg de alimento não perecível. As doações serão entregues a uma instituição parceira que promove projetos sociais. A programação vai até as 21h.

“Nós da Cultura Iminente possuímos como norteador do nosso trabalho a visibilidade da cultura local. Ao firmarmos parceria com um espaço tão grande e tão bem localizado como o GreenPark, vimos uma grande oportunidade de oferecer, ao público da Região Metropolitana do Recife, um dia inteiro de lazer e arte”, explica Rodrigo Silva, presidente da Cultura Iminente e um dos produtores do evento. O Espiral das Artes conta com uma equipe multiprofissional de, aproximadamente, 100 pessoas, entre artistas, recreadores, professores, oficineiros e seguranças. Algumas atividades são gratuitas. Em outras, os valores variam de acordo com cada profissional. Confira os detalhes da programação:

Polo Gastronômico = serão diversas opções de petiscos e hambúrgueres. Também, uma cervejaria. A Cantina Vegetariana traz, ainda, a sua diversidade de receitas. 

Feira Típica = 30 artesãos da região estarão expondo e vendendo o seu trabalho.

Núcleo de Terapias Integradas (NTI) = especialistas em Shiatsu, Massoterapia, Ayurveda, Auriculoterapia e Do-in ocuparão o espaço zen do evento.

Espaço Ciência no Quintal = a engenheira agrônoma, mestre em Entomologia Agrícola e doutora em Fitotecnia Roberta Leme fará uma demonstração sobre composteira doméstica. Gratuito.

Oficina de artesanato = a artesã tia Bel Mimos ensina a fazer decorações artísticas reaproveitando latas. A oficina é gratuita.

Oficina de bonecos = a psicóloga e arteterapeuta Fátima Caio ensina a confeccionar bonecos com material reaproveitável. A oficina é gratuita.

Exposição de Fotografias = o consagrado fotógrafo Xirumba Amorim traz toda a poesia e o seu olhar característico sobre Nordeste e sua cultura já retratados em suas lentes. Gratuito.

Intervenção artística = quando menos o público esperar, o ator-manipulador Fábio Caio entrará em cena por entre os corredores e espaços do evento com seu boneco, provocando reações. Gratuito.

Contação de Histórias = o espaço infantil de incentivo à leitura do evento conta com a presença de Vinícius Viramundos: músico, violeiro, contador de histórias, co-fundador da Biblioteca Multicultural Nascedouro, integrante do CIA Palavras Andarilhas (Lenice Gomes e Clenira Melo), que promove a Noite de Histórias há 8 anos no Teatro Joaquim Cardozo, e autor de Quando o Rato Roeu a Roupa do Rei de Roma, O Trem Ascenso, Pedro Pereira Pinto, Toca o Ramungango e A Lenda do Rio Abaixo, Rio Acima, todos pela Editora Prazer de Ler, além de uma edição própria com Zé e a CaveiraA atividade é gratuita.

Vinicius Viramundos / Foto: divulgação

Recreação = criança gosta mesmo é de correr! O Espiral das Artes está montando uma área especial, no período da tarde, com diversas brincadeiras intermediadas por profissionais da área. A criançada vai poder aproveitar camas elásticas, escorrega, piscina de bolinhas, algodão doce e pipoca!

DJ = Caio Zé, mais conhecido como DJ Pré, vem com uma seleção musical especial para o evento, fazendo a ambientação do público com a programação. No seu projeto #Disconaagulha, o artista pretende criar um diálogo entre os clássicos do vinil e o que a música brasileira tem criado de mais recente: sempre trabalhando com o fino da MPB. Durante uma temporada acompanhou a banda Forró na Caixa com um repertório variado de forró, além de diversas experiências nas principais casas noturnas do Recife. Gratuito.

DJ Pré / Foto: divulgação

Baú Solidário = o evento conta com uma campanha para arrecadar brinquedos durante todo o mês de novembro. Essa ação fará parte do Espiral Solidário que estará convidando a participar do evento, a cada mês, uma instituição ou grupo que desenvolva projetos sociais. Fará parte, ainda, dessa iniciativa o Ingresso Solidário, onde o público pagará meia entrada + 1 kg de alimento não perecível, e será entregue à instituição/grupo parceira do mês.

Palco Espiral = a partir das 16h, o Espiral das Artes dará início a outras atrações. Nesta edição de estreia, o Sarau de Poesia e Cordel, coordenado por Lenemar Santos, abrirá a programação com declamações de 8 poetas e poetisas da Região Metropolitana do Recife. 

Em seguida, a Banda Triinca dará sequência às atrações. Segundo integrantes, a banda “dá forma de canção aos amores líquidos em seu repertório dançante, entre levadinhas marotas de guitarra, pulsações rítmicas eletrônicas, sintetizadores e barulhinhos de videogame – uma mistura de letras irreverentes com o synthpop dos anos 1980, ritmos e estéticas brasileiras, do brega ao tropicalismo. Composta por Joanna D’arc Cintra (Vocais), Alcides Vespasiano (Guitarra) e Rogério Lins (Sintetizadores, Baixo e Percussões Eletrônicas). O primeiro álbum, Triinca, lançado em abril de 2017, teve todo processo de composição e pré-produção feito através de aplicativos de mensagens e redes sociais. Em novembro do mesmo ano, foi lançado, em parceria com a produtora Recife Filmes, o videoclipe para a faixa “Tua Ex Me Traumatizou”, dirigido de Dimas Lins. A banda já acumula participações em festivais como o Festival de Inverno de Garanhuns (FIG); Sonoridades do Fábrica, Revelita, Janeiro de Grandes Espetáculos, Big Dia da Música e Jardim Sonante no Recife; no festival Na Tora em Olinda; no Festival Sonora em Natal (RN); no encerramento do 41º congresso da UPE em Nazaré da Mata; e no palco alternativo do Carnaval de Vitória de Santo Antão; além de apresentações regulares no circuito alternativo da cidade do Recife e em cidades como João Pessoa (PB), Natal (RN).

Banda Triinca / Foto: divulgação

Encerrando o dia, a cantora e compositora Mayara Pera levará ao público seu show Moda na Cidade, fruto de seu primeiro CD. Cronista de sua vida, ela leva às letras das suas canções fatos que viu e viveu. Amores, traições, dedicatórias – em geral, ácidas – a ex-namorados, críticas comportamentais são sua inspiração constante e que se transformam em músicas, por vezes, bonitas e “fofinhas”; por outras, carregadas de sarcasmo. Em sua maioria, rocks, baladas, folks e blues. No ano de 2019, Mayara lança o single “Eu sou uma farsa”; apostando em um clipe minimalista, com uma performance forte e simbiótica à letra da canção. O clipe foi produzido, filmado e montado por Danillo Campelo, com roteiro e direção de Mayara Pera e cenário e iluminação de Mano Lee. Abrindo o carnaval do Recife, no palco do Marco Zero, como convidada da cantora Nena Queiroga (homenageada do carnaval 2018) ao lado de Ylana Queiroga, Michelle Mello, Ericka Natuza (ex the Voice Brasil 2018) e Pátio de São Pedro, como convidada de Flaira Ferro, e também convidada do maestro Spok para o encerramento do carnaval de Recife com o tradicional Orquestrão. Apresenta o primeiro show de 2019 com banda completa, e cheia de novidades: a estreia de dois novos integrantes e a concepção de um novo show, com algumas músicas inéditas que estarão no seu 1º álbum.  A nova fase da cantora representa um amadurecimento diante da sua nova idade, 29 anos (com o famoso “Retorno de Saturno”), e dos frutos que vem colhendo desde que resolveu se lançar em carreira solo. 

Mayara Pera / Foto: divulgação

O Complexo GreenPark conta com acessibilidade para cadeirantes com elevador. O Espiral das Artes acontecerá todos os domingos a partir das 9h, na Rua Guarabira, 639 (próximo ao Shopping Recife), Complexo GreenPark, Recife-PE. O valor da entrada é R$10 + 1Kg de alimento não perecível. O evento encerra às 21h.

SERVIÇO:
O quê? Espiral das Artes
Quando? Dia 03 de novembro de 2019, das 09h às 20h.
Onde? Rua Guarabira, 639 (próximo ao Shopping Recife), Complexo GreenPark, Recife-PE.
Quanto custa? R$ 10,00 + 1 kg de alimento não perecível (ingresso solidário)- à venda no Sympla: https://www.sympla.com.br/palco-espiral—edicao-1__697684  


Izabela Alves: uma pessoa que você precisa conhecer

Bela
Izabela Alves

Eu conheci Bela (a incrível fotógrafa Izabela Alves) durante o curso de Comunicação Social com Habilidade em Jornalismo. Não consigo lembrar em que período, exatamente, ficamos próximas, mas lembro que a afinidade foi instantânea. Bela sempre cuidou de mim e me dá os conselhos mais assertivos. Enquanto todo mundo estava, ainda, a procura do que fazer, Bela era uma das únicas do curso que parecia haver achado o seu caminho (e achou!). Ela é uma das pessoas que mais admiro na minha vida. Ela merece todos os holofotes.

Bela é sensível mas é muito forte, ao mesmo tempo. Ela luta com todas as forças pelos objetivos dela e nunca deixa de tentar coisas novas. Apegada à família, seu discurso é delicado, sua voz é doce, mas ela é, também, muito firme. Eu amo a nossa amizade e me sinto privilegiada por tê-la em minha vida. Ao longo de sua carreira, Bela coleciona trabalhos e imagens incríveis. Sozinha, ela iniciou a Izabela Alves Fotografia. Hoje, tem uma equipe para lhe dar suporte. É super requisitada para registrar casamentos, aniversários e outros eventos. Fora a graduação em Jornalismo, é, também historiadora. Conheça um pouco da sua história.

Izabela Alves Fotografia
Casamento de Carol e Leonardo. Foto: Izabela Alves

Ao ser questionada sobre a forma como escolheu a fotografia, Bela responde que foi, ainda, no segundo semestre do curso universitário, quando foi em busca do seu primeiro curso especializado no assunto. “Estava curiosa para saber como as coisas funcionavam nesta área, já que as cadeiras de fotografia só iriam acontecer no fim do curso. Neste curso eu me apaixonei… cada aluno tinha um foco: fotografia de criança, arquitetura, moda… Eu (para variar) fiquei em dúvida, mas saí de lá certa de queria registrar casamentos. Eu me dei conta que queria ser uma profissional da área estudando fotografia, eu achava bonito, gostava de clicar momentos, família, felicidade… algo muito forte me tocou e desde então eu soube que era para sempre!”, diz ela.

Segundo Bela, a fotografia é uma das maiores razões de sua felicidade (coisa boa é trabalhar com o que se ama, né?). Ela me contou como se sente, enquanto fotografa. “Um sentimento de êxtase toma conta do meu corpo a cada trabalho que desenvolvo. Quando sento para editar e percebo a quantidade de momentos de felicidades que consegui capturar, me sinto realizada! Sei que contribui para a preservação da memória dos meus clientes, fico feliz por eles! Na minha vida, a fotografia significa salvação! Ela me ajudou a sair do mar de dúvidas que eu me encontrava. Eu não sabia o que queria da vida até me encontrar com a fotografia. Hoje em dia, ela tem um significado ainda mais forte pois é ela que me cura, é ela que me tira de momentos fortes de tristeza, ela é minha melhor terapeuta!”, conta ela.

Izabela Alves Fotografia
Ensaio em Nova York. Foto: Izabela Alves

Eu sou testemunha do quanto as pessoas se sentem felizes e realizadas com o trabalho da Bela, por isso, perguntei como ela se sente com todo esse carinho e retorno. “Ah, eu fico super feliz quando um cliente aprova o trabalho, quando recebo uma mensagem de agradecimento. Normalmente, os clientes falam que não lembravam de certas coisas e isso resume bem o que faço: sou uma coletora de memórias!”, declara.

Considero Bela uma pessoa bem sucedida porque ela é feliz com o que faz e com as pessoas que estão ao seu redor. Perguntei pra ela o que mais contribui para que ela seja quem é ou quem gostaria de ser. Ela me deu ingredientes fundamentais como persistência, foco, determinação e apoio de familiares e amigos. “São eles que me incentivam, que curtem e comentam meus trabalhos, que vibram com as minhas conquistas, até as mais pequenas”, diz ela.

Sabe por que eu quis contar a história da Bela? Porque o mundo precisa de inspiração e ela é um exemplo disso. O mundo precisa conhecer pessoas como Bela que possuem a coragem de lutar pelos seus sonhos com garra, ética e honestidade. O mundo precisa de mais Belas nos holofotes.

Finalizo meu texto com um ping pong incrível que eu fiz com ela.

Se você fosse dar um conselho para quem você era há 10 anos, qual seria? Tenha calma, tudo vai dar certo! Tenha mais paciência e seja gentil consigo mesma.

Se você pudesse traduzir o propósito da vida e o sentido da felicidade, o que você diria? Nossa… pergunta difícil! Mas lá vai minha opinião: o propósito da vida é (pelo menos a minha) é cuidar das pessoas que amo. Não consigo ser alguém que não se preocupa com o outro. Além da fotografia, a minha vida é preenchida com muito carinho que distribuo entre pessoas especiais da minha vida. Eu amo fazer isso e faço com prazer. Sem isso eu seria incompleta. Para mim, felicidade é ver o outro feliz, bem resolvido, isso me deixa alegre!

Se o mundo pudesse te ouvir, qual seria o teu recado? Além de resiliência (palavra da moda, atualmente), procure praticar a compaixão! Em poucas palavras, pare, apenas, para se colocar no lugar do outro, arregace as mangas e faça algo de bom e construtivo pelos outros!

Fique à vontade para acrescentar o que quiser. Amo você amiga… a sua entrevista mexeu comigo… adorei respondê-la!

Eu te amo muito, Bela. Obrigada.

Para conhecer o trabalho da Bela, acesse: izabelaalves.com

 

 

Ouça a entrevista que fiz com Bela:

Assista a entrevista que eu fiz com a Bela: