Cheia de mim

Tenho descoberto aquilo que me faz bem
Não precisei perguntar pra ninguém
Eu sabia que era assim, mas não sabia como fazer
É natural buscar e, na busca, se perder

Tenho convivido com menos amigos
E a solidão tem me feito feliz
Estou cheia de mim
Estou cheia do que me agrada
Estou pronta pra usar essa força motriz

E viver querendo essa alegria do agora
Por dentro, não precisa vir de fora
Durante, não preciso esperar
Fazendo aquilo que me faz sonhar

Tenho andado mais silenciosa
As dores saíram e eu passei um curativo
A vista, hoje, está maravilhosa!
Vejo espaço pra dançar no meio de um dia lindo

Tenho carregado esse silêncio
Durante as coisas que eu tenho pra fazer
Tenho escolhido os meus momentos
E agradecido por, simplesmente, ser

E viver querendo essa alegria do agora
Por dentro, não precisa vir de fora
Durante, não preciso esperar
Fazendo aquilo que me faz sonhar

A escolha é minha

Há um longo caminho pela frente
Que eu decido que preciso percorrer
Há sabotadores em minha mente
Impedindo o meu sonho de viver

Se eu parar
Afundar
Desistir
Vou deixar
Minha essência
Ruir

Se eu calar
Respirar
Assumir
Vou criar
Condições
De subir

Há potencialidade no meu corpo
Possibilidades reais de amar
Há uma infinidade de tesouros
A espera de minha mente os explorar

Se eu negar
Me enganar
E fugir
Vou deixar
Meu talento
Esvair

Se eu criar
Acreditar
Ir com fé
Vou olhar
O futuro
Em meus pés

A escolha é minha.

Ouça a declamação deste texto:

Assista a declamação deste texto:

Era eu

Eu demorei a entender tua opressão
Na verdade, fui eu que me deixei oprimir.
Eu demorei a entender tua intransigência
Teu modo de querer controlar
Quando, na verdade, era eu te atraindo com esses pontos em comum

Eu demorei, meu amor, eu demorei a entender tua distância
Tua disposição para a briga
Tua escolha pelo conflito
Tua dificuldade de receber amor
De me deixar te amar
De se entregar a mim

Agora eu vejo que era eu me vendo no teu reflexo
Era eu com minha autoestima zero
Agonizando pela falta de amor próprio
Era eu lutando por um mal negócio
Sem saber receber amor
Sem amar quem me faça bem
Sem atinar para tantos sinais

Era eu, amor, correndo atrás de quem não me quer
Romantizando a situação
Me declarando ser essa pessoa
Que nunca soube o que é bom
Era eu me matando por dentro
Quanto mais atração sentia
Era eu escolhendo o difícil
Por nunca ter visto a luz do dia

Eu, passarinho preso que se acostumou com as grades ao seu redor
Quero, agora, ser diferente
E, quando eu mudar, tudo vai ficar melhor

Eu te entendo, amor
Sou você e você sou eu
Laços ruins nos uniram nesta estrada
Sentimentos ruins alimentaram nossa ligação

Eu demorei a entender
Mas, agora, sei o que quero
E vou fazer minha cabeça entender
Que mereço muito mais do que espero

Só chegue

Só chegue
Que é pra eu não acreditar que você não existe
Só chegue
Que é pra eu não amargar de tão triste

Só chegue
Que é pra eu ficar feliz de estar errada
Só chegue
E me prove que andei muito enganada

Só chegue
Me perdoe se tudo estiver desarrumado
Mas chegue…
E me mostre essa coisa de caminhar lado a lado

Só chegue
Não precisa pedir licença se for pra ficar
Só chegue
Que é pra a sorte não desistir se me ver chorar

Volta livre escrita minha

Volta, livre, escrita minha
Venha do fundo das emoções
Venha das correntes quebradas
Das palavras sufocadas
E da dor daquelas prisões

Volta, livre, escrita minha
Vem, traduz a minha dor
Toca o âmago do meu pranto
E liberta com acalanto
Essa falta de dizer o que for

Volta, livre, escrita minha
E me ajuda a pôr pra fora
Cada gota dessas lágrimas
Guardadas com tanta demora

Volta, livre, minha escrita
Pode usar o que quiser
Todo ai, tu, reticências
Gerúndio, oblíquo, sentença
A moda da vez com boné

Venha, livre, escrita minha
Teu grito, tua voz posso ouvir
Reencontre as mãos arrependidas
Da poetisa contida
Que não deixou de sentir

Vem cá, poesia minha
Me cura, sacode, levanta
Me ensine a não ser mais covarde
A tentar transformar em arte
A dor de qualquer lembrança